Em noite de gala, Prêmio CLAUDIA celebra iniciativas de grandes mulheres

Oito projetos foram premiados durante festa realizada na Sala São Paulo, nesta segunda-feira (2); Tais Araújo foi homenageada com o principal troféu do evento
  03/10/2017
Ta%c3%ads se emocionou em seu agradecimento

São Paulo, 02 de outubro de 2017 – Uma noite para guardar na memória. A 22º edição do Prêmio CLAUDIA, principal premiação feminina da América Latina, aconteceu nesta segunda-feira (2), na Sala São Paulo, em São Paulo. Com casa cheia, quem participou do evento pode conhecer de perto a trajetória de grandes mulheres de diversas partes do Brasil, que desenvolvem e se engajam em iniciativas transformadoras. Ao todo, foram oito premiados nas categorias Cultura, Ciências, Negócios, Trabalho Social, Políticas Públicas, Consultora Natura Inspiradora, Revelação, e na inédita Eles por Elas, que revelou projetos de homens em prol das mulheres e da busca pela igualdade de gêneros. 

 

O mestre de cerimônias foi o ator Eduardo Moscovis, que conduziu a premiação interagindo com a plateia, entregadoras e vencedoras. O ator não escondeu a emoção ao ouvir os depoimentos das finalistas e comentou com muito carinho o trabalho de cada uma delas. Durante a premiação, Moscovis ainda confessou que estava realizando um desejo trazendo ao evento, pela primeira vez, sua filha mais velha.

 

O público seguiu conhecendo as grandes vencedoras da noite. No palco, para entrega dos troféus, mulheres com histórias inspiradoras como Luiza Trajano, do Magazine Luiza, Rachel Maia, CEO da Pandora, Anna Muylaert, cineasta e Alexandra Loras, jornalista. Além delas, o historiador Leandro Karnal completou o time de entregadores.

 

Mas ainda faltava premiar a homenageada da noite. Neste ano, quem recebeu a honra foi Tais Araújo. A atriz recebeu das mãos da também atriz Arlete Salles, o seu troféu. Para encerrar a noite, a diva da música brasileira, Elza Soares, apresentou aos convidados um pocket show especial. A Mulher do Fim do Mundo (nome do último álbum da cantora) trouxe seu repertório clássico, mas também aproveitou a festa para cantar ao lado de uma das vencedoras, a pequena rapper, Mc Soffia.

 

O Prêmio CLAUDIA, que conta com o apoio da Natura Chronos, tem o propósito de valorizar exemplos de mulheres criativas, talentosas e empenhadas na construção de um país mais justo. O projeto é iniciativa de CLAUDIA, maior revista feminina no país.

 

Confira a lista completa das vencedoras:

Homenageada Especial – Tais Araújo

 

Categoria Eles por Elas – Avanildo Duque da Silva

Coordena projetos da ActionAid, ONG que trabalha por justiça social, igualdade de gênero e fim da pobreza. Em 2012, a convite da Secretaria da Mulher de Pernambuco, colaborou na elaboração do primeiro Plano Estadual de Políticas Públicas para Mulheres Rurais. No ano seguinte, participou da criação da Secretaria da Mulher de Recife, contribuindo para estruturar o Plano de Ação Estratégica para a Cidade, baseado na campanha Cidade Segura para as Mulheres.

Categoria Ciências – Elisabete Dal Pino

A astrofísica paulista, pesquisadora do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, é a líder brasileira de um projeto internacional para a construção do maior observatório astronômico para detecção de raios gama, a radiação eletromagnética de mais alta energia. Com isso, será possível investigar estruturas que ainda suscitam muitas dúvidas à ciência, como buracos negros e matéria escura.

Categoria Consultora Natura Inspiradora – Eufrasia Agizzio

Mãe de um garoto autista, Victor, 18 anos, a manicure Eufrasia fundou a Associação de Monitoramento de Autistas Incluídos (Amai). O objetivo é fornecer tratamento multidisciplinar a alunos com o transtorno que frequentam as escolas da rede regular de ensino de Santa Bárbara d’Oeste, no interior de São Paulo. "As crianças com deficiência intelectual têm um desenvolvimento melhor quando convivem com meninos e meninas que não têm problema algum”, diz.

 

Categoria Cultura – Conceição Evaristo

É autora de seis livros em que recorre à memória – a sua e a de seus antepassados – para tratar da realidade dos descendentes de escravos africanos, moradores das favelas brasileiras. Um deles, Olhos D´Água, ficou em terceiro lugar no Prêmio Jabuti, em 2015. Em julho, a escritora integrou a programação da Festa Literária Internacional de Paraty, em uma mesa para homenagear outras vozes femininas e negras, como Carolina Maria de Jesus, cuja obra Quarto de Despejo, aliás, é grande influência de Conceição.

 

Categoria Revelação – MC Soffia

O sucesso de Soffia Gomes da Rocha Gregório, a Mc Soffia, foi lapidado ainda no útero. Sua mãe, a produtora cultural Kamilah Pimentel, ficou grávida aos 17 anos, na época em que frequentava o movimento negro das periferias de São Paulo. Quando a menina nasceu, passou a levá-la para rodas de debates e eventos. Foi nesse contexto que a garota começou a cantar raps sobre empoderamento feminino e negro, aos seis anos. Fora o sucesso na internet, já se apresentou com Racionais MC’s e Karol Conka.

 

Categoria Negócios – Fernanda Feitosa

A colecionadora sonhava em colocar o Brasil no roteiro das feiras internacionais de arte. A SP-Arte, evento anual criado por ela, chegou em abril último à sua 13ª edição. Em quatro dias, 30 mil pessoas conferiram os trabalhos de 134 galerias, cerca de um terço delas de fora do país. Apesar da crise, o total de vendas alcançou 6,5 vezes o valor de 2010. “Mais do que vender obras, acredito que a SP-Arte tem o papel de formar o público”, afirma.

 

 

Categoria Políticas Públicas – Denice Santiago

É criadora da Ronda Maria da Penha, batalhão especial que visita vítimas de violência doméstica encaminhadas pelo Tribunal de Justiça. “Em menos de três anos de atividade, acompanhamos 1 039 mulheres e realizamos 63 prisões – ou, como costumo dizer, evitamos 63 feminicídios”, afirma a policial.

 

Categoria Trabalho Social – Fernanda Honorato

Todos os sábados, a jornalista carioca aparece na televisão fazendo reportagens sobre deficiências físicas e cognitivas para o Programa Especial, da TV Brasil. O semanal, no ar há 11 anos, tem legendas, narração para imagens e linguagem de sinais. “Sempre digo às mães de crianças com síndrome de Down para não desistirem dos sonhos e acreditarem no potencial de seus filhos. No futuro, eles podem ser repórteres, como eu”, afirma Fernanda, que também viaja pelo país para ministrar palestras sobre inclusão.

 

Sobre o Prêmio CLAUDIA

O Prêmio CLAUDIA é a maior e mais importante premiação feminina da América Latina. Há 22 anos, CLAUDIA, revista líder absoluta em seu segmento, descobre e reconhece mulheres que realizam trabalhos de impacto social em todo o território nacional. A cada edição, as finalistas concorrem em sete categorias diferentes: Ciências, Consultora Natura Inspiradora (para consultoras da marca patrocinadora do evento), Cultura, Negócios, Políticas Públicas e Revelação (para mulheres com menos de 30 anos).

 

Este ano, a premiação traz uma novidade. Por acreditar que as transformações necessárias para fazer deste um país mais justo só ocorrerão de fato se toda a sociedade estiver incluída, foi criada a categoria Eles por Elas. Nela, concorrem homens que são protagonistas de projetos realizados em nome da igualdade de gêneros.

 

Marcas envolvidas

Mais Notícias